Rio de Janeiro - RJ - Brasil.                                                              
Página inicial Dr. Carlos Antônio da Costa
Artigos de divulgação científica em ginecologia, escritos pelo
Dr. Carlos Antônio da Costa
TEGO 035/79
ANO I - NÚMERO 4 - JULHO DE 2003. ÚLTIMA REVISÃO: NOVEMBRO DE 2008.

CORRIMENTO: A UMIDADE QUE INCOMODA.

       Algumas vezes, o sinal de alarme vem sob a forma de uma inesperada mancha - amarelada e úmida - no fundo da calcinha. Noutras, além da umidade, uma coceira intensa, um odor forte e desagradável, ou uma sensação de ardência local alertam a mulher sobre a necessidade de procurar auxílio médico para esclarecer a causa e instituir o tratamento adequado para o problema.

       O corrimento (aumento da secreção vaginal) é um dos motivos mais freqüentes de consulta ao ginecologista. Suas causas são variadas e, nem sempre, significam a instalação de uma doença.

       No meio do ciclo menstrual, por exemplo, a vagina torna-se mais úmida, podendo dar saída a uma secreção mucóide (pegajosa) e transparente. Este fato, quando ocorre no 12º, 13º ou 14º dia do ciclo, é absolutamente normal, e apenas confirma a fertilidade da mulher nesse período. Nos dias que antecedem à menstruação, por influência dos hormônios ovarianos, também há – naturalmente – um aumento da secreção vaginal que se apresenta branca (como um mingau de maizena ralo) e sem odor.

       O “corrimento/doença”, por sua vez, está geralmente associado às infecções genitais, algumas das quais são transmitidas sexualmente. Vírus, fungos, bactérias e protozoários estão entre os germes responsáveis pelas colpites (inflamações da vagina). Algumas dessas infecções, quando não diagnosticadas - e tratadas adequadamente -, podem prejudicar seriamente o funcionamento do aparelho reprodutivo (obstrução das tubas), tendo como última conseqüência a infertilidade. Entre as gestantes, essas infecções podem comprometer a saúde do feto, provocando a ruptura precoce da membrana amniótica - “bolsa das águas” – e precipitando o parto prematuro.

       Na prática clínica, as principais causas de corrimento são a candidíase, a tricomoníase e a vaginose bacteriana. Em todas elas, o que chama a atenção das pacientes são os sintomas associados...

Visão microscópica dos germes causadores das principais vaginites.

Candidíase

Tricomoníase

Vaginose bacteriana

       A infecção por fungos do gênero Candida provoca uma coceira intensa e um corrimento semelhante ao leite talhado (leia também, nesta série, o artigo sobre candidíase vaginal crônica). Algumas circunstâncias como a diminuição das defesas imunológicas, o uso de medicamentos (corticóides, antibióticos, anticoncepcionais) e o diabetes descontrolado podem ser responsáveis pelo desencadeamento de um – ou vários - episódios de candidíase. O uso de roupas íntimas muito justas, confeccionadas em de tecidos sintéticos (nylon, lycra), que impedem a evaporação do suor, também está entre os fatores que facilitam a proliferação desse fungo. É importante lembrar que os fungos do gênero Candida nem sempre causam corrimento; 30% das mulheres sadias abrigam o fungo em suas vaginas, como parte da flora residente, sem que estes causem qualquer sintoma.

       A coceira e a ardência vulvares também estão presentes na infecção pelo Trichomonas vaginalis, um protozoário transmitido sexualmente - portanto, uma DST - e que promove uma secreção branco/acinzentada, bolhosa e com odor muito desagradável. Neste caso, o tratamento do parceiro é obrigatório.

       A vaginose bacteriana é causada por um desequilíbrio “ecológico” da flora vaginal, na qual as bactérias protetoras (Lactobacilus acidophilus) são substituídas pela Gardnerella vaginalis e outras bactérias, provocando um corrimento de odor fétido (peixe podre) que, percebido durante as relações sexuais, é motivo de grande constrangimento para a mulher.

       Outras causas de corrimento vaginal anormal merecem ser citadas aqui, incluindo outras doenças sexualmente transmissíveis e infecções do colo uterino (cervicites). Alguns hábitos ditos “higiênicos”, como o uso de desodorantes íntimos, de “protetores de calcinhas” perfumados, duchas vaginais em excesso e a permanência prolongada de absorventes internos na vagina também podem contribuir - como fatores causais ou precipitantes - para cronicidade do corrimento vaginal.

       A Ginecologia, na atualidade, dispõe de inúmeros recursos para o diagnóstico correto e para o tratamento eficaz das vaginites; sendo desaconselhável a adoção de “remedinhos caseiros”.

       Sob o aspecto preventivo, alguns hábitos simples, como fazer a higiene (externa) diariamente com sabonete neutro, usar calcinhas de algodão (evitando as de tecido sintético) e, é claro, usar a “camisinha” nas relações sexuais, poderão evitar que esse desconforto comprometa a Saúde da Mulher.

----------------------------------------------------------------------------

Para saber mais sobre este assunto:

   Prevalência de Vaginites infecciosas através da Citologia Clínica - Drs. Evaldo H. de Oliveira & Leonardo F. Soares - RBAC, vol.  39(1): 33-35, 2007.

   O FREQÜENTE DESAFIO DO ENTENDIMENTO E DO MANUSEIO DA VAGINOSE BACTERIANA - Dr. Paulo Cesar Giraldo & cols. - DST –    J bras Doenças Sex Transm 2007; 19(2): 84-91.

   Fatores associados à candidíase vulvovaginal: estudo exploratório - Drs. Maria Inês da Rosa & Davi Rumel - Rev. Bras. Ginecol.  Obstet. vol.26 no.1 Rio de Janeiro Jan./Feb. 2004.

   Tricomoníase: Uma Epidemia Negligenciada - Prof. Dr. Mauro Romero Leal Passos - DST – J bras Doenças Sex Transm 18(3):  159-160, 2006

   Aspectos clínicos, patogênese e diagnóstico de Trichomonas vaginalis - Gisele de Paiva Maciel & cols. - J. Bras. Patol. Med. Lab.  vol.40 no.3 Rio de Janeiro June 2004.

   Vaginitis - Dr. Hetal B Gor, MD, FACOG & cols.- eMedicine.

------------------------------------------------------------------------------------------
Lembramos que os textos da série "A Saúde da Mulher" têm caráter estritamente informativo e de apoio,
não substituindo - em hipótese alguma - as relações de confiança entre médicos e pacientes. (CAC)